Tradução, adaptação transcultural e validação de questionário de satisfação em telemedicina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2837

Palavras-chave:

Satisfação do paciente, Telemedicina, Estudos de validação, Inquéritos e questionários.

Resumo

Introdução: A telemedicina facilita o acesso ao cuidado para os pacientes. Essa tecnologia tem apresentado bons resultados clínicos e de satisfação dos usuários. A satisfação é um dos principais indicadores de qualidade dos serviços, e sua avaliação permite mudanças na qualidade da prestação de cuidados, identifica problemas e viabiliza a melhor gestão e os melhores comportamentos dos profissionais de saúde. Do aumento do uso da telemedicina no mundo emergiu a necessidade de entendimento da qualidade desse serviço. Objetivo: Traduzir, adaptar culturalmente e validar um questionário para avaliação da satisfação de pacientes atendidos por telemedicina. Métodos: A versão adaptada após a avaliação por um comitê de juízes foi utilizada em pré-teste com 30 pacientes atendidos no projeto TeleOftalmo. Os resultados do pré-teste foram avaliados a fim de se obter uma versão adequada do instrumento. Além disso, o instrumento foi aplicado em uma amostra de 141 pacientes atendidos via telemedicina. Análises de consistência interna e de validação de constructo foram realizadas. Resultados: O coeficiente de validade de conteúdo (CVC) global foi 0,942, demonstrando clareza, pertinência e relevância das questões. O instrumento apresentou consistência interna com alfa de Cronbach estandardizado de 0,6, considerado aceitável. A análise fatorial exploratória apresentou critério de Kaiser-Meyer-Olkin de adequação de amostragem de 0,56 e o teste de esfericidade de Bartlett apresentou valor de 0,001. Conclusões: A versão brasileira do Questionário de Avaliação da Satisfação de Pacientes Atendidos via Telemedicina (QAS-Tele) é um instrumento fácil e viável para a avaliação da satisfação dos pacientes atendidos por telemedicina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Taís de Campos Moreira, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Atualmente é pesquisadora especialista em projetos do Hospital Moinhos de Vento atuando nos projetos de telemedicina para o SUS. Membro do Grupo Research on Research / UCSF - University of California, San Francisco. Tem experiência nos seguintes temas: telemedicina, tecnologias em saúde, pesquisa em saúde pública, abuso de substâncias psicoativas, fonoaudiologia, qualidade de vida, adesão a tratamentos e bioestatística. Possui graduação em Fonoaudiologia pelo Instituto Metodista de Educação e Cultura (2001), Mestrado em PPG Ciências Médicas pela Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (2008), Doutorado em Scholar Short term - University of California, San Francisco (2013), Doutorado em Ciências da Saúde pela Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (2013) e Pós doutorado na mesma instituição (2016).

Hilda Maria Constant, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Pesquisadora II Hospital Moinhos de Vento Proadi-SUS. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre- UFCSPA (2018), realizou doutorado sanduíche pela Universidad Católica de Valência- España, Mestre em Ciências da Saúde pela- UFCSPA (2013), Graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário Metodista- IPA (2008), pesquisadora na área de dependência química. Experiência nas áreas de saúde mental (abuso de substâncias psicoativas, telemedicina, ciências humanas: comportamento), adaptação e validação de instrumentos, enfermagem assistencial: Oncologica. Atuou também como professora substituta na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre-UFCSPA (Gerenciamento em Enfermagem),Tutora em disciplinas da PPG Ciências da Saúde da UFCSPA, bem como ministrou aulas como professora convidada na enfermagem da mesma universidade, UniRitter e Ulbra. Atualmente é professora na FACCAT - Faculdades Integradas de Taquara/RS e preceptora de práticas na UniRitter- Laureate International Universities, colaboradora no grupo de pesquisa Motivation, emotion and behavioural research lab, vice-presidente da Associação Mario Tannhauser de Ensino, Pesquisa e Assistência-AMTEPA, e revisora ad hoc do Journal of Addiction Research & Therapy, Journal of Alcoholism & Drug Dependence e da Revista Interdisciplinar de Psicologia e Promoção da Saúde Aletheia.

Ana Maria Frölich Matzenbacher, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES(2012), especialização em Especialização em Educação em Saúde Mental Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul(2013), especialização em Residência em Saúde Mental Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul(2014) e especialização em Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família pelo Centro Universitário Internacional(2017). Atualmente é Enfermeira Assistencial no Hospital Moinhos de Vento.

Giuliano Uhlein Balardin, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Mestre em Epidemiologia: Gestão de Tecnologias em Saúde (PPGEPI-UFRGS). Especialista em Psicodrama (CEJBF-UFCSPA). Especialista em Educação a Distância (SENAC-RS). Atualmente é pesquisador no Projeto Teleoftalmo - PROADI-SUS/HMV. Atuou como psicólogo na Prefeitura Municipal de Minas do Leão - RS. Atuou como Coordenador de Campo do Projeto TelessaúdeRS (UFRGS/FAURGS/Ministério da Saúde - Brasil). Experiência profissional com: Atenção Primária à Saúde; Saúde Coletiva; Políticas Públicas; Gestão da Atenção à Saúde; Psicologia dos Grupos; Psicodrama; Tutoria, Gestão e Produção de cursos na modalidade EAD; Epidemiologia; Pesquisa Clínica e Telessaúde/Telemedicina.

Lucas Matturro, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Educação Física Licenciatura pela Rede Metodista de Educação do Sul (2009) e especialização em Gestão de Pessoas, também pela Rede Metodista de Educação do Sul (2015). Tem experiência na área de Gestão de Pessoas, Telemedicina, Gestão de Contratos Públicos, Implementação e gerenciamento de Pesquisas em Atenção Primária a Saúde e Inovação em Tecnologias para Saúde Pública.

Márcio Santanna da Silva, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul(2018). Atualmente é Enfermeiro projeto sociais da Hospital Moinhos de Vento.

Roberto Nunes Umpierre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Medicina (2002), especialização em Saúde Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003) e residência médica em Medicina de Família e Comunidade pelo Hospital Nossa Senhora da Conceição (2005). É mestre em Epidemiologia, em Avaliação de Tecnologias em Saúde, pelo PPG de Epidemiologia da UFRGS (2009). Foi Consultor da UNESCO para Atenção Básica no Rio Grande do Sul (2005) e Médico de Família e Comunidade da Prefeitura Municipal de Charqueadas e Coordenador da Estratégia de Saúde da Família neste município (2005-2007). Foi membro do Projeto TelessaúdeRS-UFRGS (Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul), como regulador, consultor e posteriormente coordenador do subprojeto RespiraNet (2007-2010). Foi Médico de Família e Comunidade do Hospital Nossa Senhora da Conceição (GHC-POA/RS), tendo atuado no Programa de Assistência Domiciliar deste hospital e na US SESC, onde foi preceptor do programa de residência médica em Medicina de Família e Comunidade (2007-2012). É membro da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) desde 2001 e participou de sua diretoria nas gestões 2004-2006, 2008-2010 e 2012-2016. Atualmente é professor do Departamento de Medicina Social, Setor de Medicina de Família e Comunidade, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua na Graduação e no Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. É coordenador do Projeto TelessaúdeRS-UFRGS e diretor acadêmico do Programa de Atualização Profissional em MFC (PROMEF), parceria da Artmed e SBMFC.

Átila Szczecinski Rodrigues, Departamento De Saúde Digital, Secretaria Executiva, Ministério Da Saúde

Sanitarista graduado em Análise de Políticas e Sistemas de Saúde (Saúde Coletiva) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Desde abril de 2013, integra o Programa TelessaúdeRS-UFRGS. Ingressou como bolsista e atualmente é supervisor da ação de Regulação e Teleconsultoria, que envolvem os projetos RegulaSUS e Canal 0800, projetos do TelessaúdeRS, que tem como objetivo aperfeiçoar o funcionamento do Sistema Único de Saúde no Rio Grande do Sul.

Felipe Cezar Cabral, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui títulos de DOUTOR e MESTRE em Pediatria e Saúde da Criança pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) além de título de ESPECIALISTA EM TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA e título de ESPECIALISTA EM PEDIATRIA pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Possuí MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EM SAÚDE pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Formado em medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) cursou Residência Médica em PEDIATRIA na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Residência Médica em TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA na PUCRS. Ocupou o cargo de Diretor Técnico do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas (HMIPV) da Prefeitura de Porto Alegre durante 2 anos e coordenou o setor de Relacionamento Contratual e Habilitações da SMS de Poa por 3 anos. Foi responsável pela implantação da telemedicina no Hospital Moinhos de Vento em 2016, liderando projetos de TeleOftalmologia, TeleUTI, TeleConsulta, TeleConsultoria entre outros. No momento é coordenador médico de Saúde Digital do Hospital Moinhos de Vento que engloba a gestão da Inovação e da Telemedicina. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Terapia Intensiva Pediátrica, Telemedicina e Inovação e na área de gestão em saúde e contratos, com ênfase em implantação de projetos de Telemedicina e Inovação.

Cassia Garcia Moraes Pagano, Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Farmacêutica-Bioquímica, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 2010. Em 2013, concluiu o Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da Faculdade de Medicina, UFRGS, onde também concluiu o Doutorado em Epidemiologia no ano de 2016. Atualmente, Pesquisadora do Escritório de Projetos, vinculado ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) e Professora de Pós-Graduação do Instituto de Educação e Pesquisa, do Hospital Moinhos de Vento.

Referências

Silva AB. Telessaúde no Brasil – conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: DOC; 2014.

Polinski JM, Barker T, Gagliano N, Sussman A, Brennan TA, Shrank WH. Patients’ satisfaction with and preference for telehealth visits. J Gen Intern Med. 2016;31(3):269-75. https://doi.org/10.1007/s11606-015-3489-x DOI: https://doi.org/10.1007/s11606-015-3489-x

Kruse CS, Krowski N, Rodriguez B, Tran L, Vela J, Brooks M. Telehealth and patient satisfaction: a systematic review and narrative analysis. BMJ Open. 2017;3;7(8):e016242. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2017-016242 DOI: https://doi.org/10.1136/bmjopen-2017-016242

Ramaswamy A, Yu M, Drangsholt S, Ng E, Culligan PJ, Schlegel PN, Hu JC. Patient satisfaction with telemedicine during the COVID-19 pandemic: retrospective cohort study. J Med Internet Res. 2020;22(9):e20786. https://doi.org/10.2196/20786 DOI: https://doi.org/10.2196/20786

Campos PD, Ferrari DV. Teleaudiology: evaluation of teleconsultation efficacy for hearing aid fitting. J Soc Bras Fonoaudiol. 2012;24(4):301-8. https://doi.org/10.1590/s2179-64912012000400003 DOI: https://doi.org/10.1590/S2179-64912012000400003

Sjöström M, Umefjord G, Stenlund H, Carlbring P, Andersson G, Samuelsson E. Internet-based treatment of stress urinary incontinence: 1- and 2-year results of a randomized controlled trial with a focus on pelvic floor muscle training. BJU Int. 2015;116(6):955-64. https://doi.org/10.1111/bju.13091 DOI: https://doi.org/10.1111/bju.13091

Nesbitt TS, Marcin JP, Daschbach MM, Cole SL. Perceptions of local health care quality in 7 rural communities with telemedicine. J Rural Health. 2005;21(1):79-85. https://doi.org/10.1111/j.1748-0361.2005.tb00066.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1748-0361.2005.tb00066.x

Uscher-Pines L, Mehrotra A. Analysis of Teladoc use seems to indicate expanded access to care for patients. Health Aff (Millwood). 2014;33(2):258-64. https://doi.org/10.1377/hlthaff.2013.0989 DOI: https://doi.org/10.1377/hlthaff.2013.0989

Batbaatar E, Dorjdagva J, Luvsannyam A, Amenta P. Conceptualisation of patient satisfaction: a systematic narrative literature review. Perspect Public Health. 2015;135(5):243-50. https://doi.org/10.1177/1757913915594196 DOI: https://doi.org/10.1177/1757913915594196

Mpinga EK, Chastonay P. Satisfaction of patients: a right to health indicator? Health Policy. 2011;100(2-3):144-50. https://doi.org/10.1016/j.healthpol.2010.11.001 DOI: https://doi.org/10.1016/j.healthpol.2010.11.001

Dlugonski D, Motl RW, Mohr DC, Sandroff BM. Internet‐delivered behavioral intervention to increase physical activity in persons with multiple sclerosis: sustainability and secondary outcomes. Psychol Health Med. 2012;17(6):636‐51. https://doi.org/10.1080/13548506.2011.652640 DOI: https://doi.org/10.1080/13548506.2011.652640

Williams TL, May CR, Esmail A. Limitations of patient satisfaction studies in telehealthcare: a systematic review of the literature. Telemed J E Health. 2001;7(4):293-316. https://doi.org/10.1089/15305620152814700 DOI: https://doi.org/10.1089/15305620152814700

Mair F, Whitten P. Systematic review of studies of patient satisfaction with telemedicine. BMJ. 2000;320(7248):1517-20. https://doi.org/10.1136/bmj.320.7248.1517

Collins K, Nicolson P, Bowns I. Patient satisfaction in telemedicine. Health Informatics Journal. 2000;6(2):81-5. https://doi.org/10.1177/146045820000600205 DOI: https://doi.org/10.1177/146045820000600205

Bakken S, Grullon-Figueroa L, Izquierdo R, Lee NJ, Morin P, Palmas W, et al. Development, validation, and use of English and Spanish versions of the telemedicine satisfaction and usefulness questionnaire. J Am Med Inform Assoc. 2006;13(6):660-7. https://doi.org/10.1197/jamia.M2146 DOI: https://doi.org/10.1197/jamia.M2146

Gustke SS, Balch DC, West VL, Rogers LO. Patient satisfaction with telemedicine. Telemedicine Journal. 2000;6(1):5-13. https://doi.org/10.1089/107830200311806 DOI: https://doi.org/10.1089/107830200311806

Hanna GM, Fishman I, Edwards DA, Shen S, Kram C, Liu X, et al. Development and patient satisfaction of a new telemedicine service for pain management at Massachusetts General Hospital to the Island of Martha's Vineyard. Pain Med. 2016;17(9):1658-63. https://doi.org/10.1093/pm/pnw069 DOI: https://doi.org/10.1093/pm/pnw069

Demiris G. Principles of survey development for telemedicine applications. J Telemed Telecare. 2006;12(3):111-5. https://doi.org/10.1258/135763306776738549 DOI: https://doi.org/10.1258/135763306776738549

Pasquali L. Instrumentação psicológica: fundamentos e prática. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Araújo AL, Moreira TC, Rados DRV, Gross PB, Molina-Bastos CG, Katz N, et al. The use of telemedicine to support Brazilian primary care physicians in managing eye conditions: the TeleOftalmo Project. PLoS One. 2020;15(4):e0231034. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0231034 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0231034

Hair Jr JF, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. 6a ed. Porto Alegre: Bookman; 2009.

Ursachi G, Horodnic IA, Zait A. How reliable are measurement scales? External factors with indirect influence on reliability estimators. Procedia Economics and Finance. 2015;20:679-86. https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)00123-9 DOI: https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)00123-9

DeVellis RF. Scale development: theory and applications. Newbury Park: SAGE Publications; 1991.

Maroco J, Garcia-Marques T. Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas? Laboratório de Psicologia. 2006;4(1):65-90. DOI: https://doi.org/10.14417/lp.763

Damásio BF. Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Aval Psicol. 2012;11(2):213-28.

Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(7):3061-8. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006

Mair F, Whitten P. Systematic review of studies of patient satisfaction with telemedicine. BMJ. 2000;320(7248):1517-20. https://doi.org/10.1136/bmj.320.7248.1517 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.320.7248.1517

Moimaz SAS, Marques JAM, Saliba O, Garbin CAS, Zina LG, Saliba NA. Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis. 2010;20(4):1419-40. https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000400019 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000400019

Publicado

2022-03-04

Como Citar

1.
Moreira T de C, Constant HM, Gomes Faria A, Matzenbacher AMF, Balardin GU, Matturro L, Silva MS da, Umpierre RN, Rodrigues Átila S, Cabral FC, Pagano CGM. Tradução, adaptação transcultural e validação de questionário de satisfação em telemedicina. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 4º de março de 2022 [citado 28º de junho de 2022];17(44):2837. Disponível em: https://rbmfc.emnuvens.com.br/rbmfc/article/view/2837

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa