Fitoterapia e desmedicalização na Atenção Primária à Saúde

um caminho possível?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2521

Palavras-chave:

Fitoterapia, Medicalização, Prevenção Quaternária

Resumo

Introdução: O uso da fitoterapia no cuidado em saúde é acessível, confiável e culturalmente aceito, reconhecendo-se que cerca de 80% da população mundial faz uso das plantas medicinais. No Sistema Único de Saúde (SUS), com o movimento da Reforma Sanitária e os interesses popular e institucional, foi construída a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, que incentivou a implantação de diversos programas de fitoterapia no Brasil. Apesar dessa ascensão da fitoterapia no SUS, a medicalização segue influenciando a prática clínica e tornando os indivíduos cada vez mais suscetíveis a intervenções desnecessárias, que muitas vezes acabam causando danos. Objetivo: Debater possibilidades de uso da fitoterapia no enfrentamento da sobremedicalização para promover a prevenção quaternária na Atenção Primária à Saúde. Métodos: Trata-se de um ensaio teórico elaborado com base na contextualização da possibilidade de enfrentamento da medicalização no âmbito do SUS, com o uso da fitoterapia. Resultados: O referencial teórico partiu de uma breve revisão do avanço da medicalização no SUS, considerando em seguida a fitoterapia como prática acessível e difundida entre a população brasileira como possibilidade para reduzir a medicalização ao ser correlacionada com o método clínico centrado na pessoa. Conclusões: A fitoterapia pode ser uma aliada da prática da prevenção quaternária ao tornar possível o encontro do saber tradicional com o técnico-científico, viabilizando um modo de cuidado alternativo à lógica medicalizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Artur Alves da Silva, Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Residente de Medicina de Família e Comunidade na Univasf. 

Wandson Alves Ribeiro Padilha, Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Médico de Família e Comunidade, com graduação e residência médica pela Universidade Federal do Vale do São Francisco.
Preceptor da Residência de Medicina de Família e Comunidade
Mestrando em Saúde da Família pela FIOCRUZ-PE.

Referências

World Health Organization. WHO traditional medicine strategy: 2014-2023. Genebra: World Health Organization; 2013.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf

Figueiredo CA, Gurgel IGD, Gurgel Júnior GD. A política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis 2014;24(2):381-400. https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200004

Ministério da Saúde. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf

Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Plantas Med 2011;13(4):486-91. https://doi.org/10.1590/S1516-05722011000400014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-05722011000400014

Ibiapina WV, Leitão BP, Batista MM, Pinto DS. Inserção da fitoterapia na atenção primária aos usuários do SUS. Ver Ciênc Saúde Nova Esperança [Internet]. 2014 [cited on Apr. 27, 2020];12(1):56-68. Available at: http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/INSER%C3%87%C3%83O-DA-FITOTERAPIA-NA-ATEN%C3%87%C3%83O-PRIM%C3%81RIA-AOS-USU%C3%81RIOS-DO-SUS.pdf

Amarante P. Medicalização da vida. In: Comissão de Direitos Humanos do CRP-RJ. Direitos Humanos? O que temos a ver com isso? [Internet] Rio de Janeiro: Conselho Regional de Psicologia-RJ. 2007:164-74 [cited on Apr. 27, 2020]. Available at: http://www.crprj.org.br/site/wp-content/uploads/2016/04/direitoshumanos.pdf#page=169

Cardoso RV. Prevenção quaternária: um olhar sobre a medicalização na prática dos médicos de família. Rev Bras Med Fam Comunidade 2015;10(35):1-10. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1117 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1117

Jamoulle M. Quaternary prevention, an answer of family doctors to overmedicalization. Int J Health Policy Manag 2015;4(2):61-4. https://doi.org/10.15171/ijhpm.2015.24 DOI: https://doi.org/10.15171/ijhpm.2015.24

Souza WS. A saúde pelo avesso. Ciênc Saude Coletiva 2004;9(4):1082-3. https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000400030 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000400030

Tesser CD. Medicalização social (I): o sucesso excessivo do epistemicídio moderno na saúde. Interface (Botucatu) 2006;10(19):61-76. https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000100005

Tesser CD. Prevenção Quaternária para a humanização da Atenção Primária à Saúde. Mundo Saude 2012;36(3):416-26. https://doi.org/10.15343/0104-7809.2012363416426

Rocha AC, Barrios NS, Rolim PDS, Zucolotto MPR. Sofro, logo me Medico: a medicalização da vida como enfrentamento do mal-estar. Id on Line Rev Mult Psic 2019;13(46):392-404. https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.1854 DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.1854

Ministério da Saúde. Uso de Medicamentos e medicalização da vida: recomendações e estratégias. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Available at: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/fevereiro/14/ERRATA-Livro-USO-DE-MEDICAMENTOS-E-MEDICALIZACAO-DA-VIDA.pdf

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des) medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc Saude Coletiva 2010;15(Suppl 3):3615-24. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036

Telesi Junior E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud Av 2016;30(86):99-112. https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007

Ministério da Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica (Caderno da Atenção Básica 31). Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais_cab31.pdf

Franco EAP, Barros RFM. Uso e diversidade de plantas medicinais no Quilombo Olho D’água dos Pires, Esperantina, Piauí. Rev Bras Plantas Med 2006;8(3):78-88.

Freitas e Silva CL. Uso terapêutico e religioso das ervas. Revista de Ciências da Religião 2014;12(1):79-92. http://doi.org/10.18224/cam.v12i1.3032 DOI: https://doi.org/10.18224/cam.v12i1.3032

Barbosa FES, Guimarães MBL, Santos CR, Bezerra AFB, Tesser CD, Sousa IMC. Oferta de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde na Estratégia Saúde da Família no Brasil. Cad Saúde Pública 2019;36(1):e00208818. https://doi.org/10.1590/0102-311x00208818 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00208818

Batista LM, Valença AMG. A fitoterapia no âmbito da atenção básica no SUS: realidades e perspectivas. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2012;12(2):293-96.

White KL, Williams TF, Greenberg BG. The ecology of medical care. N Engl J Med 1961;265(18):885-92. PMID: 8804749 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJM196111022651805

Green LA, Fryer Jt GR, Yawn BP, Lanier D, Dovey SM. The ecology of medical care revisited. N Engl J Med 2001;344(26):2021-5. https://doi.org/10.1056/NEJM200106283442611 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJM200106283442611

Schwambach KH. Utilização de plantas medicinais e medicamentos no autocuidado no município de Teutônia, RS. Porto Alegre [dissertação de mestrado]. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); 2007.

Rosa C, Camara SG, Beria JU. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciênc Saude Coletiva 2011;16(1):311-18. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033

Palumbo CFG, Gardin NE, Nakamura UM. Erythrina mulungu Mart. ex Benth e Erythrina velutina Willd: aspectos farmacológicos e perspectiva antroposófica de plantas brasileiras. Arte Med Ampl 2016;36(4):152-61.

Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf

Nascimento WMC, Melo OF, Silva IF, Souza FL. Plantas medicinais e sua utilização pelas comunidades do município de Sobral, Ceará. Sanare (Sobral, Online) 2013;12(1):46-53.

Silva RCM. Relações produtoras do cuidado em práticas com plantas medicinais na estratégia de saúde da família em Juazeiro-Bahia. São Cristovão [tese de doutorado]. Sergipe: Universidade Federal de Sergipe (UFS); 2016.

Gadelha CS, Pinto Junior VM, Bezerra KKS, Maracajá PB, Martins DSS. Utilização de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais em diferentes segmentos da sociedade. Green Journal 2015;10(3):1-15. https://doi.org/10.18378/rvads.v10i3.3564 DOI: https://doi.org/10.18378/rvads.v10i3.3564

Matsuchita HLP, Matsuchita ASP. A contextualização da fitoterapia na saúde pública. Uniciências 2015;19(1):86-92. https://doi.org/10.17921/1415-5141.2015v19n1p%25p

Almeida MZ, Lessa GM, Silva MQOR, Cardoso SN, Santos FA. Fitoterapia no SUS no Estado da Bahia: contribuição para valorização do conhecimento e das práticas tradicionais na rede básica de saúde. Revista Fitos [Internet]. 2011[cited on Apr. 27, 2020];6(1):29-34. Available at: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/19187

Valeriano ACFR, Silva Junior EX, Bedor CNG, Costa MM. O uso da fitoterapia na medicina por usuários do SUS, uma revisão sistemática. Id on Line Rev Mult Psic 2017;10(33):219-36. https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.631 DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.631

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária. Interface (Botucatu, Online) 2013;17(46):615-33. https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000014

Ribeiro LHL. Território e macrossistema de saúde: os programas de fitoterapia no Sistema Único de Saúde (SUS) [tese de doutorado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); 2015.

Modesto AAD. Nem tudo que reluz é ouro: discutindo prevenção quaternária a partir de ditados populares. Rev Bras Med Fam Comunidade 2019;14(41):1781. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1781 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1781

Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Leite SN, Schor N. Fitoterapia no Serviço de Saúde: significados para clientes e profissionais de saúde. Saúde Debate [Internet]. 2005[cited on Apr. 27, 2020];29(69):78-85. Available at: https://www.redalyc.org/pdf/4063/406345217010.pdf

Freeman TR. Manual de medicina de família e comunidade de McWhinney. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Oliveira FA. Antropologia nos serviços de saúde: integralidade, cultura e comunicação. Interface (Botucatu, Online) 2002;6(10):63-74. https://doi.org/10.1590/S1414-32832002000100006 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832002000100006

Figueredo CA, Gurgel IGD, Gurgel JGD. A política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis 2014;24(2):381-400. https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200004

Bosse TS. Fitoterápicos no SUS. Monografia [tese de conclusão de curso]. Criciúma: Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc); 2014.

Gusso G, Lopes JMC, Dias LH. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

de Lima FA, Do Bú EA, Soares MP, de Araújo CR. A fitoterapia e sua inserção no contexto da Atenção Básica. Revista Saúde e Ciência Online 2015;4(2):120-8. http://doi.org/10.35572%2Frsc.v4i2.259

Publicado

2022-07-30

Como Citar

1.
Silva AA da, Padilha WAR. Fitoterapia e desmedicalização na Atenção Primária à Saúde: um caminho possível?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de julho de 2022 [citado 7º de agosto de 2022];17(44):2521. Disponível em: https://rbmfc.emnuvens.com.br/rbmfc/article/view/2521

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa