Programa Mais Médicos

contribuições aos processos de trabalho e desafios para a integralidade do cuidado na Estratégia Saúde da Família

Palavras-chave: Programa Mais Médicos, Processo de Trabalho, Assistência Integral à Saúde (Integralidade), Estratégia Saúde da Família

Resumo

Este artigo analisa os efeitos da inserção de uma médica cubana do Programa Mais Médicos nos processos de trabalho de uma equipe de Saúde da Família, discutindo suas contribuições e desafios à integralidade do cuidado em saúde. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritivo-exploratória, do tipo estudo de caso, realizada em município do estado do Espírito Santo, Brasil, mediante utilização de observação participante, complementada com entrevistas em profundidade e um grupo focal. A análise dos dados foi fundamentada nas teorias do processo de trabalho e da produção intersubjetiva do cuidado em saúde. Os resultados indicam contribuições na ampliação de ações assistenciais e no fortalecimento dos vínculos entre equipe e usuários. Entre os desafios, a persistência de práticas segmentadas por categorias profissionais, subordinadas à figura e aos saberes (bio)médicos, com limitada interação interprofissional e equipe-comunidade na construção de projetos comuns de cuidado.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pablo de Almeida Boiteux, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Médico de Família e Comunidade. Mestre em Saúde Coletiva - PPGSC/UFES.

Thiago Dias Sarti, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Vitória, ES

É Professor Assistente do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES). Possui graduação em Medicina pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericordia de Vitória (2004). É especialista em Medicina de Família e Comunidade e em Gestão em Saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduacão em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Rita de Cássia Duarte Lima, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Enfermeira. Departamento de Enfermagem. Professora do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva - UFES.

Referências

(1) World Health Organization (WHO). Global strategy on human resources for health: Workforce 2030. Geneva: WHO; 2016.

(2) Dal Poz MR. A crise da força de trabalho em saúde. Cad Saude Publica. 2013 Out;29(10):1924-6.

(3) Crisp N, Chen L. Global supply of health professionals. N Engl J Med. 2014;370(10):950-7.

(4) Portela GZ, Fehn AC, Ungerer LRS, Poz MR. Recursos humanos em saúde: crise global e cooperação internacional. Cienc Saude Colet. 2017;22(7):2237-46.

(5) Pinto ICM, Nunes TCM, Belisário AS, Campos FE. De recursos humanos a trabalho e educação em saúde: o estado da arte no campo da Saúde Coletiva. In: Paim JS, Almeida-Filho N, org. Saúde Coletiva: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Medbook; 2014. p. 611-23.

(6) Scheffer M, Cassenote A, Poz M, Matijasevitch A, Oliveira RA, Nunes MPT, et al. Demografia Médica no Brasil. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina; 2015.

(7) Oliveira APC, Gabriel M, Dal Poz MR, Dussault G. Desafios para assegurar a disponibilidade e a acessibilidade à assistência médica no Sistema Único de Saúde. Cienc Saude Colet. 2017;22(4):1165-80.

(8) Silva LA, Casotti CA, Chaves SCL. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Cienc Saude Colet. 2013;18(1):221-32.

(9) Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Cienc Saude Colet. 2015;20(6):1869-78.

(10) Arantes LJ, Shimizu HE, Merchán-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1499-509.

(11) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

(12) Brasil. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 23 out 2013.

(13) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

(14) Molina J, Tasca R, Suárez J. Monitoramento e avaliação do Projeto de Cooperação da OPAS/OMS com o Programa Mais Médicos: reflexões a meio do caminho. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2925-33.

(15) Girardi SN, Stralen ACS, Cella JN, Wan Der Maas L, Carvalho CL, Faria EO. Impacto do Programa Mais Médicos na redução da escassez de médicos em Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2675-84.

(16) Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA, Santos Neto PM. A ampliação das equipes de Saúde da Família e o Programa Mais Médicos nos municípios brasileiros. Trab Educ Saúde. 2017;15(1):131-45.

(17) Comes Y, Trindade JS, Shimizu HE, Hamann HM, Bargioni F, Ramirez L, et al. Avaliação da satisfação dos usuários e da responsividade dos serviços em municípios inscritos no Programa Mais Médicos. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2749-59.

(18) Galavote HS, Franco TB, Freitas PSS, Lima EFA, Garcia ACP, Andrade MAC, et al. A gestão do trabalho na estratégia saúde da família: (des)potencialidades no cotidiano do trabalho em saúde. Saúde Soc. 2016;25(4):988-1002.

(19) Campos GWS, Pereira Júnior N. A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2655-63.

(20) Scheffer M. Para muito além do Programa Mais Médicos. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2664-66.

(21) Melo EA. O que pode o Mais Médicos?. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2672-4.

(22) Kemper ES, Mendonça AVM, Sousa MF. Programa Mais Médicos: panorama da produção científica. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2785-96.

(23) Keck CW, Reed GA. The curious case of Cuba. Am J Public Health. 2012;102(8):e13-e22.

(24) Mendes-Gonçalves RB. Práticas de saúde: processos de trabalho e necessidades. São Paulo: CEFOR [Cadernos CEFOR – Textos 1]; 1992.

(25) Mendes-Gonçalves RB. Tecnologia e organização social das práticas de saúde: características tecnológicas do processo de trabalho na rede estadual de centros de saúde de São Paulo. São Paulo: Hucitec / Rio de Janeiro: ABRASCO; 1994.

(26) Ayres JRCM. Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saúde Soc. 2009;18(Supl 2):11-23.

(27) Kalichman AO, Ayres JRCM. Integralidade e tecnologias de atenção à saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cad Saúde Pública. 2016;32(8):e00183415.

(28) Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2001;6(1):63-72.

(29) Ayres JRCM. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface (Botucatu). 2004;8(14):73-92.

(30) Carvalho BG, Peduzzi M, Mandú ENT, Ayres JRCM. Trabalho e intersubjetividade: reflexão teórica sobre sua dialética no campo da saúde e enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2012 Jan-Fev [citado 2016 Dez 20]; 20(1):[8 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n1/pt_04.pdf

(31) Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2015.

(32) Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(3):621-6.

(33) Santos JBF, Maciel RHMO, Lessa MGG, Maia ALLN. Médicos estrangeiros no Brasil: a arte do saber olhar, escutar e tocar. Saúde Soc. 2016;25(4):1003-16.

(34) Sarti TD, Campos CEA, Zandonade E, Ruschi GEC, Maciel ELN. Avaliação das ações de planejamento em saúde empreendidas por equipes de saúde da família. Cad Saúde Pública. 2012;28(3):537-48.

(35) Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2014;23(3):869-83.

(36) Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saude Soc. 2015;24(1):165-79.

(37) Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.

(38) Lima RCD. Enfermeira: uma protagonista que produz o cuidado no cotidiano do trabalho em saúde. Vitória: Edufes; 2001.

Publicado
2020-05-10
Como Citar
Boiteux, P. de A., Sarti, T. D., & Lima, R. de C. D. (2020). Programa Mais Médicos: contribuições aos processos de trabalho e desafios para a integralidade do cuidado na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2149. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2149
Seção
Artigos de Pesquisa