Agentes Comunitários de Saúde e o cuidado de quem cuida

trabalho e subjetividade(s)

Palavras-chave: Metabolic Agentes Comunitários de Saúde, Saúde do Trabalhador, Socioanálise, Cuidado Centrado no Paciente.

Resumo

No biênio 2011-2012, desenvolvemos a oficina “Cuidado de si e do outro no trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS)”, destinada à formação e intervenção na rotina laboral dos ACS. Professores e alunos do curso de Medicina de uma universidade pública em Minas Gerais discutiram, no âmbito da oficina, de que modo a criação de espaços de fala demonstrou que o acolhimento para com aquele que cuida é essencial na prática dos ACS. A perspectiva socioanalítica adotada orientou a observação direta das atividades feitas por ACS mulheres, as reuniões de equipe voltadas para uma reflexão teórico-metodológica e a realização da oficina conforme eixos temáticos: Cuidado de Si, Trabalho em Equipe e Conteúdos Técnicos. A partir disso, tecemos cartografias do território geográfico, político e social, conhecemos as trajetórias de vida das ACS e identificamos que a vinculação entre trabalho e subjetividade permitiu a elas, aos alunos e aos professores o exercício da escuta de si e do outro e a vivência do cuidado como trabalho. Concluímos que a oficina se tornou espaço de formação política e gerou modificações no cotidiano das ACS envolvidas.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adriana Kelly Santos, Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, Brasil.

Sou pesquisadora do Laboratório de Educação Ambiente e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz, Fiocruz. Desenvolvo pesquisas na interface Ciências Humanas e Saúde Coletiva, nas linhas de estudos de recepção de programas de saúde pública (Saúde do Trabalhador, Hanseníase e HIV/Aids), sexualidade e aids na adolescência. Atuo como docente do PPGICS - programa de pós-graduação em Informação, Comunicação e Saúde. Contribuo como parecerista ad-hoc para periódicos científicos e para o Decit-MS. Orientei alunos de mestrado, PIBIC, PIBIT e PROVOC, todos com bolsa CNPq/Fiocruz e Faperj.

Referências

(1) L’Abbate S, Mourão LC, Pezzato LM, org. Análise institucional & Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; 2013.

(2) Spagnol CA. A construção de um dispositivo socioanálitico para abordar situações de conflito em equipes de enfermagem. In: L’Abbate S, Mourão LC, Pezzato LM, org. Análise institucional & Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 333-53.

(3) Lourou R. Análise institucional. Petropólis: Vozes; 1996.

(4) Ministério da Educação (BR). Resolução CNE/CES nº 4, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 9 nov 2001: Seção 1: 38.

(5) Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e a Portaria nº 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 13 fev 2004: Seção 1.

(6) Lemos CLS. Educação permanente em saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente?. Ciênc Saúde Coletiva. 2016 MAr;21(3):913-22. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015213.08182015

(7) Merhy EE. A cartografia do trabalho vivo. 3ª ed. São Paulo: Hucitec; 2002.

(8) Assis MMA. Produção do cuidado no Programa Saúde da Família: olhares analisadores em diferentes cenários. Salvador: EDUFBA; 2010.

(9) Garuzi M, Achitti MCO, Sato CA, Rocha SA, Spagnuolo RS. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica. 2014;35(2):144-9.

(10) Moysés SJ. A Saúde da Família do Brasil e seus agentes. In: Mialhe FL, org. O agente comunitário de saúde: práticas educativas. Campinas: Editora da Unicamp; 2011. p. 50-1.

(11) Mourão LC, Luzio CA. A vivência no cotidiano dos serviços de saúde como dispositivo para a formação dos alunos dos cursos de medicina e psicologia. A experiências nos campos da Saúde Coletiva e da saúde mental. In: L’Abbate S, Mourão LC, Pezzato LM, org. Análise institucional & Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 333-53.

(12) Santos AK. Comunicação e saúde do trabalhador. Curitiba: Juruá; 2009.

(13) Bonet O. Sentindo o saber. Educação da atenção e Medicina de Família. Horizontes Antropológicos. 2011 Jul/Dez;21(44):253-77. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832015000200011

(14) Bakhtin, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec; 2006.

(15) Ayres JRCM. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. Rio de Janeiro: CEPESC / UERJ/IMS / ABRASCO; 2009.

(16) Jardim S, Silva Filho JF. Profissão: identificação e projeto. Rev Saúde Coletiva 1996;6(1-2):101-19. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73311996000100005

(17) Lopes DMQ, Colomé-Beck L, Prestes FC, Weiller TH, Colomé SJS, Silva GM. Agentes Comunitários de Saúde e as vivências de prazer - sofrimento no trabalho: estudo qualitativo. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(3):633-40. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000300015

(18) Lembo AP, Oliveira AP, Carrelli E. Conversando sobre desgaste mental no trabalho e suas possibilidades de enfrentamento: uma experiência no serviço público municipal de Guarulhos. Rev Bras Saúde Ocup. 2016;41:e12. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6369000117515

(19) Caponi S. Da compaixão à solidariedade: uma genealogia da assistência médica. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2000.

(20) Ramminger T. Entre a normatividade e a normalidade: contribuições de G. Canguilhem e M. Foucault para as práticas de saúde. Mnemosine. 2008;4(2):68-97.

Publicado
2020-08-11
Como Citar
Santos, A. K., & Mendonça, E. T. de. (2020). Agentes Comunitários de Saúde e o cuidado de quem cuida: trabalho e subjetividade(s). Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2118. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2118
Seção
Relatos de Experiência