O Acesso Avançado como estratégia de organização da agenda e de ampliação do acesso em uma Unidade Básica de Saúde de Estratégia Saúde da Família, município de Diadema, São Paulo

Palavras-chave: Acesso aos Serviços de Saúde, Qualidade, Acesso e Avaliação da Assistência à Saúde, Atenção Primária à Saúde, Assistência Integral à Saúde.

Resumo

Introdução: Pressionadas pela demanda e por agendas lotadas, equipes de saúde têm discutido estratégias de reorganização da agenda e ampliação do acesso. O Acesso Avançado vem ganhando espaço nesta discussão como uma estratégia desenvolvida nos Estados Unidos, que tem como princípio “Faça hoje o trabalho de hoje!”. Propôs-se descrever a influência da implantação do Acesso Avançado sobre acesso ao atendimento de usuários numa Unidade de Saúde da Família no município de Diadema. Métodos: Tratou-se de um relato de experiência da gerente da unidade no processo de implantação do Acesso Avançado, com a proposta de analisar as agendas e os relatórios de produção dos profissionais de saúde (médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem) no período de janeiro de 2017 a abril de 2018 e apresentar estatística descritiva da influência do Acesso Avançado sobre os atendimentos desses profissionais. O Acesso Avançado foi amplamente discutido com a equipe e com o conselho gestor, num processo de construção conjunta de fluxos e novas agendas. Resultados: Identificou-se aumento de 157% no número de usuários atendidos em consultas, passando de 1.048 em janeiro de 2017 para 2.694 atendimentos em abril de 2018, e queda de 13% para 2% na taxa de faltas dos usuários às consultas. Conclusão: Pôde-se demonstrar que a estratégia foi efetiva na ampliação do acesso ao serviço de saúde, gerando também efeitos positivos na organização da agenda e dos processos de trabalho das equipes. Espera-se contribuir e fomentar discussões acerca da otimização do acesso à Atenção Primária à Saúde (APS), suas complexidades e peculiaridades, e propor análise da influência do Acesso Avançado sobre os demais atributos da APS, particularmente nos atributos de longitudinalidade e integralidade do cuidado.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ferla Maria Simas Bastos Cirino, Coordenação da Atenção Básica, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema

Graduação em Enfermagem na Universidade Paulista (2009) e graduação em Medicina Veterinária na Universidade Federal da Bahia (1999). Mestre em Ciências na Universidade de São Paulo (2011). Atualmente faz parte da equipe de Coordenação da Atenção Básica da Secretaria de Saúde de Diadema desde janeiro de 2019. Dois anos de experiência em gestão de Unidade Básica de Saúde (2017-2019) e oito anos como Enfermeira da Estratégia Saúde da Família (2009-2017). Responsável pela implantação do Acesso Avançado em duas UBS e participação no GT de Acesso Avançado do município de Diadema, responsável pela consultoria na implantalçao em outras oito UBS no município; membro do Grupo de Pesquisa sobre Acesso Avançado da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo desde agosto de 2018.

Douglas Augusto Schneider Filho, Coordenação da Atenção Básica, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema

Graduação em Odontologia pela Universidade de São Paulo (1983) e Especialização em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo e em Saúde da Família pela UNASUS/UNIFESP. Na Prefeitura de Diadema, foi Coordenador de Atenção Básica da Secretaria Municipal da Saúde entre os anos de 2006 e 2012, cargo que voltou a ocupar em janeiro de 2017 até a presente data. Na Prefeitura de São Paulo foi Assessor de Saúde Bucal da Secretaria Municipal da Saúde entre os anos de 1989 e 1992 e entre os anos de 2013 e 2014, Coordenador de Saúde da Subprefeitura da Vila Mariana entre os anos de 2000 e 2004, e Supervisor da Supervisão Técnica de Saúde da Vila Mariana-Jabaquara entre os anos de 2015 e 2016. No Ministério da Saúde prestou Consultoria na área de Gestão ao Departamento de Apoio à Descentralização no ano de 2005. Na área do ensino de Graduação presencial foi Docente dos Cursos de Odontologia e Fisioterapia da Universidade Metodista de São Paulo entre os anos de 1995 e 2004, e, desde 2014 é docente do Curso de Odontologia da Universidade 9 de Julho. Na área do Ensino à Distância, foi Tutor do Curso de Especialização em Saúde da Família da UNASUS/UNIFESP entre os anos de 2013 e 2016, atuou como Orientador do Curso de Especialização da UNASUS/Universidade Federal de Pelotas entre os anos de 2011 e 2015. Tem 20 Artigos publicados em Revistas Científicas e cinco capítulos publicados em livros de Saúde Coletiva.

Lucia Yasuko Izumi Nichiata, Professor assistente do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Graduação e Licenciatura em enfermagem na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (1987), doutorado (2001) e Livre-Docente (2010), ambos pela Escola de Enfermagem da USP. Vice-Líder do diretório de pesquisa do CNPq "Vulnerabilidade, adesão e necessidades em saúde". Pesquisadora Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (2011-2013; 2014-2017). Docente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGE) e Programa de Pós-Graduação Profissional Enfermagem na Atenção Primária no SUS (MPAPS) da Escola de Enfermagem da USP. Chefe do Departamento de Enfermagem da EEUSP (2016-2018; 2018-2020). Coordenadora Adjunta de Avaliação Capes dos Programas de Pós-Graduação Profissionais (2018-2021).

Lislaine Aparecida Fracolli, Professor Associado 2 junto a Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo

Enfermeira, formada pela UFSCar; Especialista em Saúde Pública pela UNAERP; Mestre em Educação Especial pelo CCHEA da UFSCar; Doutora em Enfermagem pela EEUSP.

Referências

(1) Rocha SA, Bocchi SCM, Godoy MF. Acesso aos cuidados primários de saúde: revisão integrativa. Physis. 2016 Mar;26(1):87-111. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000100007

(2) Sistema Único de Saúde (SUS). Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba. Saúde da Família. Novas possibilidades de organizar o acesso e a agenda na Atenção Primária à Saúde. Curitiba (PR): SUS; 2014; [acesso 2018 Out 16]. Disponível em: http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/images/cartilha%20acesso%20avançado%2005_06_14.pdf

(3) Balasubramanian H, Biehl S, Dai L, Muriel A. Dynamic allocation of same-day requests in multi-physician primary care practices in the presence of prescheduled appointments. Health Care Manag Sci. 2014;17(1):31-48. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10729-013-9242-2

(4) Assis MAA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2865-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002

(5) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação Nº 02, Anexo XXII, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017; [acesso 2019 Mai 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017.htm

(6) Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Pessoa EAC, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis. 2015;25(2):635-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312015000200016

(7) Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2014;23(3):869-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300011

(8) Sant’Ana AM. Pesquisa operativa para adequação das agendas num serviço de Atenção Primária. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017 Jan-Dez;12(39):1-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1459

(9) Vieira-da-Silva LM, Chaves SCL, Esperidião MA, Lopes-Martinho RM. Accessibility to primary healthcare in the capital city of a northeastern state of Brazil: an evaluation of the results of a programme. J Epidemiol Community Health. 2010;64(12):1100-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/jech.2009.097220

(10) Vidal TB, Tesser CD, Harzheim E, Fontanive PVN. Avaliação do desempenho da Atenção Primária à Saúde em Florianópolis, Santa Catarina, 2012: estudo transversal de base populacional. Epidemiol Serv Saúde. 2018;27(4):e2017504. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742018000400006

(11) Silva AS, Nogueira DA, Paraizo CMS, Fracolli LA. Avaliação da Atenção Primária à Saúde: visão dos profissionais de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2014 Aug;48(spe):126-8. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000600018

(12) Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manage [Internet]. 2000 Set; [citado 2018 Dez 20]; 7(8):45-50. Disponível em: https://www.aafp.org/fpm/2000/0900/p45.html

(13) Murray M, Berwick D. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA. 2003;289(8):1035-40. DOI: https://doi.org/10.1001/jama.289.8.1035

(14) National Health Service (NHS). Commissioning a new delivery model for unscheduled care in London. London: NHS; 2011; [acesso 2018 Dez 20]. Disponível em: http://www.shiftingthebalance.scot.nhs.uk/downloads/1234865158-Unscheduled%20care_PCT%20commissioning%20guide%20for%20a%20new%20delivery%20model_v1%200.pdf

(15) Norman AH, Tesser CD. Access to healthcare in the Family Health Strategy: balance between same day access and prevention/health promotion. Saúde Soc. 2015;24(1):165-79. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013

(16) Secretaria Municipal de Saúde de Diadema. Perfil epidemiológico do município de Diadema. Diadema (SP): Prefeitura de Diadema; 2017.

(17) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

(18) Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidade de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

(19) Morgan CL, Beerstecher HJ. Satisfaction, demand and opening hours in primary care: an observational study. Br J Gen Pract. 2011;61(589):498-507. DOI: http://dx.doi.org/10.3399/bjgp11X588475

(20) Sousa FOS, Medeiros KR, Gurgel Júnior GD, Albuquerque PC. Do normativo à realidade do sistema único de saúde: revelando barreiras de acesso na rede de cuidados assistenciais. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(4):1283-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014194.01702013

(21) Pires DEP, Machado RR, Soratto J, Scherer MA, Gonçalves ASR, Trindade LL. Cargas de trabalho da enfermagem na saúde da família: implicações no acesso universal. Rev Latino-Am Enfermagem. 2016;24:e2677. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.0992.2682

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Cirino, F. M. S. B., Schneider Filho, D. A., Nichiata, L. Y. I., & Fracolli, L. A. (2020). O Acesso Avançado como estratégia de organização da agenda e de ampliação do acesso em uma Unidade Básica de Saúde de Estratégia Saúde da Família, município de Diadema, São Paulo. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2111. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2111
Seção
Relatos de Experiência